skip to Main Content

Empresas de telecom são as recordistas em pedidos de patentes para software embarcado

As empresas de telecomunicações foram os principais depositantes de patentes com software embarcado no Inpi (Instituto Nacional da Propriedade Industrial), muito por conta dos softwares voltados aos dispositivos móveis e equipamentos de processamentos digitais.

É o que aponta o mais recente Insight Report da Assespro-PR (Associação das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação), entidade que trabalha em prol do desenvolvimento do mercado e empresas de tecnologia no estado do Paraná. O relatório, lançado no mês de agosto é feito mensalmente e tem como objetivo entender as tendências de mercado e o status de vários aspectos ligados à TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação). Neste estudo, os dados analisados correspondem aos anos entre 2012 e 2019.

Os códigos IPC, que definem as aplicações tecnológicas dos pedidos de patentes, no período 2012-19, expressam a tendência tecnológica atual relacionada ao desenvolvimento da internet das coisas, blockchain e inteligência artificial.

Assim, a aplicação em Redes de comunicação sem fio passou a ser predominante a partir de 2016, em 2019, esta aplicação foi incluída em 12% dos 1.144 pedidos submetidos ao Inpi, seguida por Transmissão de informação digital (8%), Processamento eletrônico de dados digitais (7%) e Processamento de dados adaptados (6%). Entre outros códigos que figuram nos registros estão os relacionados à área de saúde (Diagnóstico e cirurgia e Informática de saúde).

Ainda segundo o estudo, a gigante chinesa Huawei foi a principal depositante, com 117 pedidos em 2018 e 2019. Em segundo lugar veio a Guangdong Oppo Mobile Telecommunications Ltd., também chinesa, com 40 e 31 depósitos, respectivamente, seguida pela Sony (Japão), Qualcomm (EUA) e Ericsson (Suécia), todas também do ramo de telecom. Do total de 1.114 pedidos de depósitos, a divisão entre pedidos de residentes (Brasil) e não residentes ficou na proporção de 30% e 70%, com 345 pedidos de brasileiros e 799 de estrangeiros.

Em relação ao Brasil, o estado de São Paulo permanece como a principal origem dos depositantes residentes, no período 2012-19, com uma participação de 34% do total de pedidos, em 2019. O Paraná tem-se posicionado entre os cinco principais depositantes, neste período, com uma participação de 7%, em 2019.

Um número que chama a atenção é o crescimento do pedido de registro por Centros de Educação e/ou de Pesquisa, na ordem de 200%. Isto deve-se, principalmente, ao fato da promulgação do Marco Legal da Inovação (Lei 13.243/2016), que passou a estimular o patenteamento da produção tecnológica dessas entidades e a maior interação com o setor produtivo.

Com maiores investimentos em desenvolvimento, a tendência é que o Brasil possa fortalecer ainda mais a relação entre a academia e o mercado de trabalho, com os temas de pesquisa chegando efetivamente ao mercado e gerando produtos atrativos às empresas, que certamente irão influenciar as próximas análises com base em registro de patentes para software embarcado.

Fonte: Ipesi Digital

Veja também:

Back To Top